O Brasil é um país com grande incidência de luz solar. Tudo bem que pode variar de acordo com a região mas, a energia solar é viável em praticamente todo o território nacional. Além disso, é um sistema sustentável e que não polui o meio ambiente. Por isso, é comum questionarmos se vale a pena ou não investir em placas de energia solar, não é mesmo?

Alguns fatores devem ser analisados: valor do investimento, como é o seu funcionamento na prática, quanto tempo ele dura e quais são as vantagens e as desvantagens.

Portanto, se você quer ficar por dentro de todas estas questões, acompanhe este artigo até o final para saber se implantar placas de energia solar na sua casa é uma boa alternativa.

Está na dúvida se vale a pena investir nas placas de energia solar para a sua casa? Veja o que você deve analisar.

Qual é o valor aproximado?

O custo médio depende da complexidade e do tamanho da instalação. A média para uma casa pequena e simples é em torno de R$20 mil reais, valor que cobre os custos de equipamentos e a instalação.

Em quanto tempo o equipamento se paga?

Mais importante do que avaliar o valor, é o tempo de possível retorno do investimento.  Por isso, compare o potencial de gerar dinheiro/valor investido com a economia potencial. Por exemplo: hoje, um sistema solar se paga em média de 4 a 6 anos.

Com isso, se você considerar 30 anos de funcionamento para o equipamento, tem-se uma economia ao longo de 24 ou 26 anos.

Quanto tempo dura o equipamento?

Os módulos, têm em média uma vida útil de 25 a 30 anos. Geralmente, a garantia de fábrica considera o máximo de 25 anos para gerar pelo menos 80% do seu potencial. Já os inversores têm aproximadamente 15 anos e precisam ser trocados na metade do tempo de duração de um sistema completo.   

O que é preciso para a instalação?

A casa precisa ter um espaço útil de aproximadamente 18m² para receber a instalação dos módulos fotovoltaicos. Além disso, a área deve ser sem sombreamento constante e também ser atendida por uma concessionária distribuidora de energia.

É possível armazenar energia? Como funciona na prática?

A energia produzida pelos módulos fotovoltaicos é levada até o inversor e a transforma na energia que será utilizada na casa. A energia gerada é consumida na hora pelos eletrodomésticos, máquinas e lâmpadas que estiverem ligadas no momento.

O que excede do consumo é enviado para a distribuidora de energia.

A distribuidora fornece crédito para a consumidora abater na sua conta de luz e faz com que seja possível ter energia à noite, quando a luz solar é interrompida. Tecnicamente não há armazenamento de energia, ou seja, o excedente é transformado em crédito junto à distribuidora e convertido em economia para o proprietário do sistema.

Vantagem x Desvantagem

Sem dúvida a principal vantagem é a ambiental, uma vez que a geração fotovoltaica é sustentável, limpa, entrega uma energia mais barata e otimiza a matriz do sistema de energia no Brasil. Além disso, a energia solar é viável em praticamente todo o território nacional!

Já com relação às desvantagens estão as formas pouco eficientes de armazenamento de energia, se comparado aos combustíveis fósseis (petróleo, gás e carvão) e a energia hidroelétrica (água). Além disso, os painéis têm rendimento aproximado de apenas 25%, apesar deste índice estar aumentando ao longo dos anos.  

Esperamos ter ajudado na sua decisão. Em caso de dúvidas, não deixe de comentar aqui com a gente!